a vida depois da vida / eco em museu / canção-vitória / letra empoada / melhor que nada / é memória

sexta-feira, 16 de março de 2007

Autoscopia, 3

Esparvoada, expressão ferrugenta que frequentemente se me aplica, vem com o bónus de me fazer gargalhar sempre que a ouço. Não é pomposa, hermética ou beta (como possidónia, et caetera), e remete para um estado de distracção que não chega a ser transe nem estupor. Caracteriza-me nas situações de espera por transporte público, de proximidade de alguém que não sei se deva cumprimentar, e de caminhada digestiva.

3 comentários:

magarça disse...

Uma palavra que herdei da minha avó. Aplicável a muitos momentos de distracção..

Anónimo disse...

A mim, pode sempre cumprimentar. Escusa de ficar nesse estado.

Ana Cláudia Vicente disse...

Magarça,
a mim veio parar por via materna;

Anonymous,
ok, combinados.