a vida depois da vida / eco em museu / canção-vitória / letra empoada / melhor que nada / é memória

quinta-feira, 4 de março de 2010

Queluz, Adro da Igreja Paroquial


Por falar em sacramentos, recordo-me bem do da Eucaristia. O sol estava forte à hora da fotografia. Foi na Primavera da entrada na CEE, em tempo do padre Alberto Teixeira Dias, homem verdadeiramente ocupado em transmitir à comunidade o fundamental - ouvir, ler e interpelar os Livros, alimentar a vida do espírito com alegria e em partilha. As externalidades e os formalismos não encontravam nele grande guardião. Sugeria vagamente o branco e o azul quando algum pai fazia a protocolar pergunta da fatiota, o que nos deixava  entusiasmante margem criativa.Que ela se tenha traduzido neste ensemble evocativo de Armando Gama, isso já não sei como foi.

2 comentários:

aff disse...

Leio poucos blogues mas um a que me mantenho fiel é este, não só pelas evocações da terra onde cresci mas também pelas imagens dos paineis luminosos de comboios que ajudei a instalar. Também me lembro muito bem da forte luz veranil nos domingos de manhã no adro da igreja ao pé do liceu.

Cláudia [ACV] disse...

António, obrigada por falares desse apego a um lugar que te formou e que ajudaste - literalmente - a transformar.