a vida depois da vida / eco em museu / canção-vitória / letra empoada / melhor que nada / é memória

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Pelos blogues, como em geral, as mulheres gostam sobretudo de ler homens. Os homens também.

9 comentários:

bizarrices disse...

Eu, cá, não!

nils disse...

... mas invejam sobretudo a prosa de certas senhoras (tipo "esta gaja, como é que pode escrever tão bem?"). ;) Bom ano de 2009, Ana Cláudia!

Ana Cláudia Vicente disse...

Bizarrices,

registo a moção; bom ano :)

Nils,
a minha blogoprosa não foi grande coisa neste ano, mas enfim, em frente é caminho. Abraço, bom 2009!

F. Penim Redondo disse...

Isto é pura vitimização à procura de elogios.

Este problema, ao nível das pessoas que lêem blogs, já não existe à muito.

Não me passa pela cabeça, quando leio um post, se o autor é macho ou fêmea.

Tratem de algo que valha a pena ou, como diz o outro, "vão trabalhar, como as pessoas..."

F. Penim Redondo disse...

sorry, "há muito" é que é. Corro o risco de dizerem que, além de machista, sou iletrado.

Ana Cláudia Vicente disse...

O Fernando entenderá como quiser, claro.Em vários anos, é a primeira vez que aqui se regista um comentário da natureza do seu, (ano novo, cousas novas); não me parece muito razoável que se psicanalisem duas frases, e por extensão quem as escreve, nos termos em que o faz. Penso que estará a tomar este blogue por um espaço de combate político ou cívico, coisa que ele não é, nem quer ser. Esses, quando os pretendo fazer, faço-os noutros lugares, não propriamente aqui.
Basta espreitar um ou outro post por aí abaixo, para perceber "o tom do blogue", como diria o Luís Carmelo.
Não costumo esmiuçar o sentido dos meus posts, mas leio-o desde os seus comentários ocasionais no blogue da Joana Lopes, e considero-o, por isso digo-lhe: pensei que já vivíamos num tempo em que se podia aludir a (ou debater sobre) comportamentos de género sem que isso implicasse adjectivação desqualificante. As ditas frases são fruto de uma simples percepção (e sumariamente - senão mesmo elipticamente - apresentadas como tal) nascida de uma boa dose de conversas "metabloguísticas" com outros bloggers (homens e mulheres)de há uns anos a esta parte (leio-os desde 2003, escrevo-os desde 2004); não trazem nenhum substrato particularmente frustrado na manga, porque raio haveriam de trazer? Elas incidem recorrentemente sobre a relação (por vezes mesmo fidelização) que estabelecemos com os blogues que lemos, os de sempre, os novos, os reactivados, sobre o seu tom, o seu imaginário, a sua tendência política, a sua marca autoral, o seu gosto, etc. E as preferências (sobretudo as incondicionais, as de visita frequente) que me têm expressado ambos os géneros (e foram mais de 1/2 dúzia de bloggers, sim...)incidem por muito larga maioria no género masculino, e isso tem dado azo, a mim e a alguns amigos, a alguma especulação sobre a razão de assim parecer ser (uma casualidade sem sentido, verificável apenas na minha 'amostra'?; uma questão de haver, hipoteticamente, mais blogues de homens que de mulheres?; interesse feminino pelo oposto e interesse masculino pelo semelhante, pelo emulável? etc,etc). Se na primeira frase está escrito "sobretudo" é, evidentemente, porque ambos os géneros também citam blogues assinados por mulheres nas suas preferências, ainda que de forma muito minoritária. E esta matéria intriga-me, também na sua genealogia (daí o "como em geral"). E foi isso que eu quis expressar.

Bom ano.

Terpsichore lusitana combatente disse...

Boa tarde.

Tem razão, a mim acontece-me exactamente o que descreve. Tenho constatado o mesmo.

No entanto tenho visto uns blogues escritos por mulheres, dos quais por sua vez não sou leitora, cujo público é, na maioria,feminino.

Através do meu blogue tive diálogos e cruzamentos interessantes com ambos os sexos. Mas... mais homens.

Ana Cláudia Vicente disse...

Olá, Terpsicore; bom ano!

Lonjura disse...

e pronto, cá está a excepção que confirma a regra