a vida depois da vida / eco em museu / canção-vitória / letra empoada / melhor que nada / é memória

quarta-feira, 5 de março de 2008

Barreiro, Avenida do Bocage

Um dia tirei do quarto daquele primo dois pequenos blocos de notas. Estavam guardados debaixo da cama, numa caixa com à vontade uma dúzia. Já não lembro por que haveria ele de não estar, e não percebo o que fariam ali aquelas folhas perfumadas, tão de menina, num sítio assim meio escondido. Encontrei-as depois de brincarmos ao quarto escuro. Não sei como escondi o par de caderninhos. Seriam prenda para a irmã, quase de certeza. As nossas visitas não eram muito habituais, e tirando o tio, amigo a sério, nenhum dos outros nos recebia com prazer. Éramos os que não eram ricos na família, e para aqueles, felizmente só para aqueles, isso parecia importar. Acho que não dormi. A culpa começou logo a lavrar. Sabia que era roubo, ainda por cima a quem não nos queria. Escondi os blocos na segunda gaveta por um tempo, depois não consegui aguentar. Levei-os para a escola e dei-os a duas das minhas três amigas. À outra, para que não achasse que gostava menos dela, dei um em forma e cheiro de morango, acabado de receber da minha mãe. Tinha seis anos.
De então a agora tem sido o mesmo - por mau feito, continua a não haver alívio no prejuízo.

2 comentários:

esquilo disse...

Sra.D.Culpa teve sempre os melhores publicitários da humanidade a trabalhar para ela...

Ana Cláudia Vicente disse...

A Sr.D.Culpa é mandona, e eu bem-mandada.