a vida depois da vida / eco em museu / canção-vitória / letra empoada / melhor que nada / é memória

quinta-feira, 22 de novembro de 2007

Dos livros

Os calhamaços sempre me custaram. Primeiro a abrir, depois a fechar. Lembro-me bem de quando dez páginas eram coisa cansativa, difícil de ler, de quando a falta de ilustrações impedia a recriação do descrito, de quando boa parte das palavras implicava dicionário. Ganho esse lastro, o quê tornou-se outro, o do apego. Apercebi-me com os Karamazov. Tantas páginas, tantos dias, e depois ter de os deixar.

2 comentários:

Emanuel disse...

Este ano tive a insanidade de comprar o Proust. Sempre que olho para a estante fico imediatamente cansado.
Para o próximo verão é que é! :)

Ana Cláudia Vicente disse...

Eu ainda não me abalancei a ele, também. Seremos gente de pouco fôlego?