a vida depois da vida / eco em museu / canção-vitória / letra empoada / melhor que nada / é memória

segunda-feira, 8 de outubro de 2007

Lisboa, Rua José Carlos dos Santos

A meia-estação deixa a descoberto quem tem a perder. Quem se enroupa por cautela, quem leva o guarda-chuva e o lenço, fá-lo por não poder ficar mal. Por ter de trabalhar ou de olhar por alguém. Por ter de ser.

2 comentários:

Anónimo disse...

Olhe que não sei. Tenho deparado por aí com umas madames de botas altas (!), o que, com os cerca de 25º C que têm estado aqui por Lisboa na hora do calor, só de as topar me faz arrepios (de calor...).

Ana Cláudia Vicente disse...

A exegese das escolhas feitas pelas adeptas da moda-acabadinha-de-chegar-às-lojas é dificilmente compatível com a lógica deste post, de facto :)