a vida depois da vida / eco em museu / canção-vitória / letra empoada / melhor que nada / é memória

quinta-feira, 13 de setembro de 2007

Ave-do-arremedo

Li Mockingbird há mais de uma dúzia de anos, nos meses em que mais li na vida, também eles muito mitificáveis, como todos os meses de convalescença o são. Entre muitos outros, alguém me emprestou aquele numero da 'colecção azul'. Não li mais nada de Walter Tevis, que só mais tarde me apercebi ser o criador de Eddie Felsen, o jogador de bilhar interpretado por Paul Newman. Mockingbird conta a redescoberta do mundo depois do fim da memória, por via da difícil aprendizagem do acto de ler. Dos poucos livros de ficção científica que li, foi o único que me pareceu realmente profético.

2 comentários:

Paulo Vinhal disse...

O "Crónicas Marcianas" e o "Fahrenheit 451" do Ray Bradbury também não são de deitar fora.

Abraço do Paulo

Ana Cláudia Vicente disse...

Paulo,
obrigada pelas sugestões, não li nem um nem outro (vi Fahrenheit em filme, só).