a vida depois da vida / eco em museu / canção-vitória / letra empoada / melhor que nada / é memória

quarta-feira, 29 de agosto de 2007

Metro, Restauradores

Estranho ofício. Três ou quatro cegos para cada linha, às vezes por turnos. O tom varia: há os que arrastam a cantilena, há os que bradam a toque de caixa. Cobrem toda a rede e efectuam marcação carruagem a carruagem. Têm aparência invariavelmente limpa, engomada. De mecânico e imperativo, o seu pregão é ignorado. Ainda assim, alguém sempre dá.

3 comentários:

Anónimo disse...

"Ora podem crer
queu continuarei àgradecer
a quem tiver àmabilidade e a bondá
de malciliar... tiririm-ti-ti..."

Anónima do costume, que não andou contigo na faculdade e desconhece os teus despenteados!

Anónimo disse...

Não ignorando de modo algum a desgraça que é ser-se invisual, afinal o que se descreve é um flagrante sintoma de subdesenvolvimento.

emanuel disse...

O "ora podem crer" não é assim tão mecânico, ele lá vai evoluindo estilisticamente. Depois da fase rap, espera-se novo álbum.