a vida depois da vida / eco em museu / canção-vitória / letra empoada / melhor que nada / é memória

sexta-feira, 6 de julho de 2007

Lisboa, Aeroporto

Nos momentos em que a falta de alguém dança connosco transfigura-se-nos o estranho em familiar. Por quase nada, que é o bastante para um tremor.

5 comentários:

EMALMADA disse...

A CENSURA na comunicação social existe, está aí. Por isso...
Para lá de uma certa Almada virtual na televisão e nos encartes de jornais, há quadros, cenas e imagens de uma Almada real escondida e esquecida que os almadenses não gostam de ver.
http://emalmada.blogspot.com

Anónimo disse...

Ai! Querias dançar com quem? Comigo?
Capita!

Ana Cláudia Vicente disse...

xinamén, publicidade :(

capita, por acaso também tenho saudades de conversar contigo, sim :)

Emanuel disse...

"xinamén"... tão giro e tão eighties :)

Ana Cláudia Vicente disse...

Pois é, Emanuel, é interjeição de... chavalos e chavalas dos 80's, não há como disfarçar :)