a vida depois da vida / eco em museu / canção-vitória / letra empoada / melhor que nada / é memória

sábado, 31 de março de 2007

Housebound

Está a dar o Xavier, nunca tinha visto. Noventa foi há tão pouco tempo, e quase não reconheço nada, só a cidade. A Alexandra Lencastre tão nova, tão bonita. Uma vez sorriu ao meu irmão. Noutro dia vi-a ver-se e chorar; falava na RTP com o Daniel Oliveira, o nosso Oprah, e ele mostrou-lhe imagens dela desde o princípio, e ela não deve ter visto o que nós vimos, os filmes, as peças, deve ter visto a vida a passar, e há tão pouco tempo.

3 comentários:

Anónimo disse...

sim, parece ser uma cidade ainda dos anos 80 (trangressão dos tempos)
Os actores envelhecem rápido. Se bem que a Alexandra Lencastre tenha deixado de representar aí pelo meio. Por isso recompôs-se das rugas.

J.

Ana Cláudia Vicente disse...

J., pelo menos aos nossos olhos, que não se cansam de os rever, parados no tempo. Quanto à Alexandra Lencastre, não tenho visto nada impressionante, mas não me parece talento morto.

Anónimo disse...

A Alexandra será sempre a diva da representação.