a vida depois da vida / eco em museu / canção-vitória / letra empoada / melhor que nada / é memória

terça-feira, 8 de agosto de 2006

Soprano Talk

Paulie, esse mânfio capaz de provocar uma taquicardia a um comatoso, tem de refazer contas à vida de mais que uma maneira; contas de sangue, entre outras. Não sendo um sacana violento tão retorcido quanto o falecido Ralph Cifaretto - David Chase o tenha em descanso -, é um sacana violento à mesma (aquela cacetada final no Barone filho, a necessidade absoluta de o roubar e castigar, frustração e inveja em estado puro). T. deixou-se de delírios mas continua um bocado off; o pastor, o cientista e o rapper com nome de sabonete contribuem como podem para a construção de uma mundividência pós-quase-morte. Quer vida nova, mas o lixo do negócio é o mesmo. Carmela dá-lhe o aviso-cabeças. Ai Vito, Vito.

5 comentários:

sara disse...

Snif. Perdi o episódio de ontem :(

Ana Cláudia Vicente disse...

Duplo snif: eu vou perder o próximo;

Trânsito em Lisboa disse...

Não se preocupem. A "mula" resolve (quase) tudo. Desde que passei a ver a série Lost em alta definição que não suporto ver televisão. A fraca qualidade dá-me náuseas... Será que Os Sopranos passam em HD? P.S: Os mais conscienciosos podem sempre comprar os DVD's, mas ainda assim a qualidade não chega à da HDTV.

Anónimo disse...

Este foi o último episódio que vi... ainda assim, acabei de descobrir estes "soprano" talques, e, muito me contam!!

No entanto, largo aqui um comentário só para alertar para o seguinte aspecto a propósito da sova prespegada pelo "Paulie" ao atleta que ía para olímpico (mas já num vai...). É, para mim, dos personagens marginais, digo, periféricos, o que mais interesse me desperta (é o "Animal" de serviço nesta outra produção do Buscemi.).
E pareceu-me... num é justo, mas adequado. Reparem que o Paulie pediu 4 mil $'s ao «menino da Mama», quatro mil, a mensalidade da residência sénior da Senhora Sua Tia... O T. num lhe deu muito espaço... e, então, nada mais correcto do que um filho que sabe o que é "verdadeiro" amor de mãe a pagar. É torto, mas adequado. O Paulie limitou-se a "transferir" o pagamento da mensalidade do Lar "materno". Os filhos que paguem a crise.

Ana Cláudia Vicente disse...

Trânsito,
do Lost não desgosto totalmente, mas que o embaralhanço cronológico me deixa tonta, deixa.

Anónimo,
não tinha reparado na coincidência da soma, muito bem visto :) Volte sempre aqui aos talques.