a vida depois da vida / eco em museu / canção-vitória / letra empoada / melhor que nada / é memória

quinta-feira, 20 de julho de 2006

Suburbano-Repressiva

Vem o calor e vai-se-me a paciência, transformo-me numa suburbano-repressiva com vontade de disparar pólvora seca só para pôr a vizinhança em sentido. Se fosse um homem muito entrado safava-me, passava por traumatizado da Legião Estrangeira, ou assim. É que toda a gente no meu bairro abre as janelas. Não sei se sou só eu que me incomodo, mas detesto ser obrigatoriamente mobilizada para uma comuna sonora que inclui os latidos do caniche com pressa de ir à rua que faz questão de contagiar o pastor alemão, o bulldog e os dois rafeiros do mesmo prédio; a mulher que se esgoela mas afinal não é alvo de violência do esposo, só do seu sexo; o bêbado que pica o ponto no karaoke caseiro todas as noites a partir da meia-noite; o tunneiro que acelera, acelera e não sai do cabrão do lugar de estacionamento.

6 comentários:

João Moutinho disse...

Ana Claúdia,
Vim visitar o seu blog e agradecer-lhe a chamada de atenção para aquela calinada de "precedeu".
A Legião Estrangeira andou pelo deserto do Norte de África onde o Sol ainda era mais abrasador que na nossa Lusitânia.
Bem haja!

Ana Cláudia Vicente disse...

João,
obrigada pela visita, já fui ao seu blogue deixar mais um comentário :)

Luís Aguiar Santos disse...

O último personagem é-me particularmente antipático...

Roberta disse...

Disparar pólvora seca... é melhor reforçar... pólvora seca!!! Como o calor toca a todos, não vá alguém mais distraído apanhar uma chumbada!

Pakalolo disse...

:)

Ana Cláudia Vicente disse...

Luís,
para alindar o quadro, a cinco ruas de distância abriu há uns dias uma oficina com o auspicioso nome PontoTunning...