a vida depois da vida / eco em museu / canção-vitória / letra empoada / melhor que nada / é memória

segunda-feira, 21 de março de 2005

O Maravilhoso Mundo da Roupa Interior – Meias

Só a propósito de meias poderia escrever-se um tratado. Vamos ao essencial. As meias são todas filhas do nylon e netas do carvão, mas há-as também arraçadas das fibras que nascem nos campos. Variam segundo densidade (medida em deniers, não faço ideia porquê), cor e comprimento, e têm por função teórica a protecção total ou parcial das pernas da mulher, ou, em alguns casos, do homem. Os artistas que fazem a coisa mais bem feita são, a léguas, os italianos. Os portugueses não chegam lá, mas não são nada maus, e não ficam a dever em qualidade – talvez apenas em…hype? – aos franceses ou aos espanhóis.
Destaco, por ordem crescente de valor comercial, as mais corriqueiras sub-categorias: mousse, vidro, licra (com as sub-sub-categorias licra-vidro, licra-seda e voile), algodão e lã. Podem ser pézinhos, soquetes, mini-meias, meias-liga (aderentes e não-aderentes) e meias inteiras (isto soa àquele livro da Adília Lopes), ser transparentes ou opacas, lisas, com relevo ou com padrão. Há até as que têm intuitos medicinais – de descanso, ou contenção de varizes.
A sub-categoria collant de homem, peça inteira que, por convenção, acaba abruptamente onde começa a peúga, é cada vez menos vendida, seja por razão do aquecimento global do planeta ou da própria circulação sanguínea do varão luso. Como o género masculino não é lá muito barroco em relação à roupa interior, collant de homem é a sub-categoria mais fácil de definir: existe apenas num tipo (lisas, opacas e a imitar a lã) e três cores (castanho-escuro, azul-escuro e cinzento escuro; alvíssaras a quem encontrar verde-escuro ou – cromo dificílimo – castanho-claro); têm ainda saída para quem:

a) trabalha nos turnos da noite e madrugada;

b) trabalha numa mina, numa câmara frigorífica ou exposto aos elementos;

c) pratica caça ou pesca desportiva;

d) detesta ceroulas, mas tem frio nas pernas à mesma.


Sou de parecer que as mulheres portuguesas se dividem entre as que usam saias e as que não usam saias, mais do que as que usam saltos altos e as que não usam saltos altos. Daqui decorre que a mini-meia (para calça) e a meia inteira (para saia) sejam as mais procuradas. Sublinho o facto de que apesar de servirem para proteger as pernas, as meias mais procuradas são as de licra, transparentes e frias como o caraças. Para os menos versados nas “meias de verão”, o pézinho é expressão mais ridícula da meia de mulher: consiste apenas num bocado de malha cor-de-pele (disponível nas versões mousse, vidro ou licra) que cobre a parte do dito pé que está tapada pelo sapato.A supracitada cor-de-pele é um dos quebra-cabeças de qualquer vendedor da especialidade: as clientes habituais [viva o comércio tradicional, viva] fazem questão em que quem as atenda decore a designação eufemística correspondente ao seu gosto pessoal, muitas vezes equivalente apenas de forma imaginária ao seu tom real de pele. Exemplos: as branquinhas pendem muitas vezes para o bronzeado Duna, ao passo que as muito morenas optam pelo deslavado London; em chegando as andorinhas, dispara a procura do acastanhado Antílope.

Presumo que num mercado conservador como o português o best-seller continuará a ser – por muitos e bons anos – o tom Muskade. Um espírito menos poético teria baptizado este tom de Castanho Médio ou mesmo Neutro. Como não tenho o savoir-être comercial da minha patroa/mãe, o Muskade deixou-me em mais que uma ocasião perto de perder a compostura. Não é fácil ser-se adulta, quando alguém nos pede um ou dois pares de collants licra-seda Mostardo, Moscardo ou Noz-Moscarda.

2 comentários:

Formiguinha disse...

Já estamos próximos do grande dia do fio anal! "Je" agita-se na cadeira à espera desse texto que será religiosamente e descaradamente copiado para o meu bloguinho! ehhehehehe

Bjinhos grandes para a minha amiga noz moscarda *****

Nuno Costa disse...

Em relação às collants de homem referidos neste blog já estão fora de moda. Felizmente já existem marcas que comercializam collants de homem, como a Gerbe, Activskin, Collanto, ou Goldwear, que são rigorosamente iguais aos de senhora, diferindo apenas na imagem da embalagem e nos tamanhos. Alguns modelos são muito finos próprios para usar no verão e com calções. E a marca alemã Levee possui collants unisexo. Apesar da Internet e da globalização, tudo chega com atraso a Portugal. E se estas collants chegarem, com a mentalidade ignorante e atrasada que ainda, infelizmente, grassa neste país, é provável que todos tenham medo e vergonha de comprar.