a vida depois da vida / eco em museu / canção-vitória / letra empoada / melhor que nada / é memória

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Massamá, Rua das Rosas

Correu à porta, de tão insistente o toque. Ainda estremunhada, presumiu e mal que se estava a repetir nessa manhã a cena nocturna de há várias semanas. Um dos vizinhos tinha tocado à sua campainha assim, àquela hora de pouco movimento em que os que estão em casa se preparam para dormir e os que ainda não talvez demorem um bocado. Em gíria local, à meia noite e merda, intervalo de tempo bastante dado à pequena delinquência e à rixa doméstica. O dito morador vinha avisar que alguém tinha acabado de largar ali na rua um Uno todo escaqueirado, dando de caminho cabo de vários carros estacionados - o dela incluído. Depois desse rebate à tão popular máxima que diz bastar andar na estrada para se sofrer um acidente, voltou a dormir pouco. E nada se repetiu, claro. O correio veio mais cedo, ela acordou mais tarde. Só isso. Carteiro novo, cheio de urgência em devolver em mão uma carta registada. Muito corou de tão despenteada, no seu pijama cor-de-rosa a dar com os chinelos e o verniz.

2 comentários:

Anónimo disse...

Também não me parece mal não senhor.

Beijinho,

Francisco

Ana Cláudia Vicente disse...

Baci!