a vida depois da vida / eco em museu / canção-vitória / letra empoada / melhor que nada / é memória

terça-feira, 6 de maio de 2008

Ana Bólica

Os primeiros racontos de mitologia grega que ouvi em miúda provocaram-me uma certa indignação. Não tinha como assimilar aquele cenário de volubilidade, manipulação, passionalidade e desmando entre deuses e homens - até aí só conhecia a narrativa bíblica, que apresentava mortais e imortais em coreografia bem mais hierática. Ainda hoje me exaspero ao tentar entender como pôde Ariadne ter expectativas tão exageradas em relação a Teseu, ou como conseguiu encontrar tão bom esposo em Dionísio.

2 comentários:

Vodka e Valium 10 disse...

Oh, soberba das soberbas... Aracne a desafiar Diana. O que é engraçado é que fica implícito que a humana era melhor que a Deusa, razão pela qual é transformada em aranha.

Ana Cláudia Vicente disse...

Ou Atena?