a vida depois da vida / eco em museu / canção-vitória / letra empoada / melhor que nada / é memória

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

O Branco e o Negro

Nunca pintei o cabelo. Por mais ou menos que o corte, que o penteie, deixo a cor como está, gosto tanto dela. Tenho deixado, digo. Começa-se-me a fugir.

6 comentários:

Anónimo disse...

Credo, Ana Cláudia! É assunto que se toque? Branco, preto... sogaditos na cabeça, é como os queremos!

Ana Cláudia Vicente disse...

Capa, I presume? :)

Anónimo disse...

Não nos diga que está a ficar da cor de ACV quando foge...

Anónimo disse...

Como é que sabias que era eu? Vá, de novo...

Sol disse...

Também gosto da minha cor. E os branquinhos, que são cada vez mais!
Gostei dos escritos!

Ana Cláudia Vicente disse...

Obrigada, sol :)