a vida depois da vida / eco em museu / canção-vitória / letra empoada / melhor que nada / é memória

quarta-feira, 1 de agosto de 2007

Poole Harbour, Brownsea Island

A primeira vez que o vi foi na sede, reproduzido a partir de um óleo conhecido. Achei-o solene mas simpático, respeitável, muito britânico. Perguntei-me como teria sido, na minha idade. Hoje sei que Stephe não foi uma criança despreocupada, como conta a lenda por ele próprio construída. Não foi um jovem militar romântico, a conjuntura não o permitiu. Não foi um adulto com a noção das conveniências, não era essa a sua natureza. Foi um idealista praticante. Passou a outros o que o fazia feliz. Morreu sem saber se o Eixo triunfaria. Mas não sem uma vida cumprida, sem deixar em curso uma certa ideia de futuro.

Thank you, Stephe.

2 comentários:

rui disse...

Um private-post q.b.
Foi boa ideia chamares Steph ao nosso querido Bob.

Ana Cláudia Vicente disse...

Stephe. A ideia não foi minha, era coisa de infância. Usurpei-a, espero que ele não se amofine, já que era muito sensível quando a essa questão, chegou a mandar para trás correspondência por falta de hífen, a sério :)