a vida depois da vida / eco em museu / canção-vitória / letra empoada / melhor que nada / é memória

domingo, 1 de julho de 2007

Batata Aceite

Não me apetecendo falar de leituras laborais, no capítulo escapista as últimas coisas boas que li foram:


Entre mim e a minha morte há ainda um copo de cre
púsculo, Egito Gonçalves.

Aquele nome incomum ficou-me
de uma crónica loboantuniana muito comovente. E há dias deu-me vontade de saber dele.


Senhor Fantasma, Pedro Mexia.

Sigo uns quatro poetas da minha idade. Os que sigo, sigo fielmente. É que apenas n(ess)as palavras, por momentos, me consigo entender de uma geração.


Uma Abelha na Chuva, Carlos de Oliveira.

Muita gente me falou neste livro sem nunca dizer nada dele, sem tocar no enredo. Talvez porque essa muita gente o tenha lido na escola. Eu não.


Pétalas negras ardem nos teus olhos, Luís Falcão.

O título levou-me ao autor que vagamente recordará a pequena irmã do meu irmão. A que um dia apareceu num concerto com pestanas mascaradas de azul-eléctrico.



Women in Love
, David Herbert Lawrence.

Ainda não acabei, na verdade. Tem-se falado em Lawrence, e ao passar na secção de usados da livraria do costume dei com um volume em capa vermelha, da Random House, assinado por alguém que o comprou em 1946. E então trouxe-o.


A batata passo-a a cinco passantes a quem apeteça comentar.

4 comentários:

hfm disse...

Tomei nota das que não conhecia.

Ana Cláudia Vicente disse...

:)

magarça disse...

Eu não li nenhum deles, e tenho "Uma abelha na chuva" a aguardar-me na estante. Vou levá-lo à praia este verão :)

Ana Cláudia Vicente disse...

Acho que vai gostar, magarça; eu gostei daquela simplicidade dura, arenosa.