a vida depois da vida / eco em museu / canção-vitória / letra empoada / melhor que nada / é memória

quinta-feira, 12 de abril de 2007

A Meio da Estação

vejo o que há muito não via, velhotes a ver passar comboios. Antigamente, antes das grandes obras na linha, sobretudo em Queluz e na Damaia, não havia banquinho nem canteiro que não tivessem ao menos um senhor recostado, mirando o movimento. E para mim era como se aquele vaivém não se perdesse, havendo alguém a ver.

2 comentários:

Anónimo disse...

Peço desculpa a ACV, mas não entendo bem onde estão agora os velhotes a ver passar os comboios.

(Obviamente não circulo de comboio nessa linha. Mas também ando de transportes públicos).

Ana Cláudia Vicente disse...

Eu também não entendo bem onde foram parar os senhores deste costume tão rural de "ver o movimento". Porque vi um há uns dias, ocorreu-me o que era em tempos cenário diário.