a vida depois da vida / eco em museu / canção-vitória / letra empoada / melhor que nada / é memória

sábado, 14 de abril de 2007

Coisas Que Nem só A Mim Engordentam

É que nunca como uma bolacha, nem quando faço cerimónia.

9 comentários:

moleskine - 80 pages of art disse...

Achei que se pudesse interessar por este blog: http://moleskine80pages-art.blogspot.com

=)

pearl fosky disse...

Nem consido perceber essa idea abstracta de comer "uma" bolacha...
Nao faz sentido nenhum!

Anónimo disse...

Vá lá, pior era se não conseguisse comer apenas um pacote de bolachas.

Ana Cláudia Vicente disse...

Isso mesmo, Pearlie, uma bolacha (até uma bolacha maria)é uma abstracção absurda!

Anónimo (ó anónimo, arranje aí outro outro nome inidentificável, "anónimo" é muito comum...),
dada a disposição certa, já quase cheguei ao pacote inteiro; mas o ser humano está sempre a superar-se :)

magarça disse...

As bolachas querem-se aos pares, como os quadradinhos de chocolate.

gokka disse...

Dado que a Ana Cláudia merece toda a minha simpatia e consideração (podicrê), além de «dar troco» a comentários (se calhar às vezes desajeitados ou inoportunos) que lhe deixo neste blog sensível, bem-disposto e com outras (boas) qualidades que mencionarei noutra ocasião [ :-) ], aproveitando o que a «word verification» me pediu passei a ser 'gokka'.

Ana Cláudia Vicente disse...

Gokka, isso é calão urbano filo-sueco (googlei).

Ana Cláudia Vicente disse...

Magarça, isso é mínimo olímpico :)

Anónimo disse...

Assim sendo, volto a ser anónimo, paciência.

A word verification agora pede-me 'nolurnix', o que não me agrada como «nick».