a vida depois da vida / eco em museu / canção-vitória / letra empoada / melhor que nada / é memória

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2007

Mem Martins, Rua da Azenha

nicks ordinários com um poder evocativo extraordinário. Um desses mimos auto-promotores de vale de blogues recordou-me o Aluno-Engraçadinho Desconhecido.
Estávamos no fim do milénio, em ano curricular para proto-professores, num pré-fabricado com temperatura de adega que mal aguentava a lusalite. Engolíamos anacronismos pedagógicos e pós-modernices pastosas, sendo raras vezes agraciados à colherada em aviãozinho com alimento intelectual do dia. Ainda não dávamos aulas, mas através de estagiários mais velhos conseguíamos umas cobaias para os trabalhos das cadeiras. O inquérito sobre o papel dos auxiliares audiovisuais na sala de aula lá correu, a amostra era suficiente, toca ao rame-rame do apuramento de dados. No meio das previsíveis respostas aparece uma, branqueada a corrector professoral, relativa ao género cinematográfico preferido. Descodificada a contra-luz, dizia, garrafal:

FILME PERNOGRÁFICO

Onde quer que estejas, rapaz, obrigada pela tua colaboração. Por pouco ganhavas ao simpático professor doutor do Seminário Didáctico. O que tentou retroprojectar folhas de papel.

2 comentários:

Bruno Duarte Eiras disse...

Oh cara amiga,
E quem se lembrava desta pérola! E quanto realismo empregue na descrição do espaço! Que será feito do Prof. Dr. M.S.!?
Esse ano foi realmente um ano digno de nota! Como tu bem dizes era o fim do milénio, aquele a que a outra senhora chamava de "minélio"!
Bjs

Ana Cláudia Vicente disse...

Só tu lembrarás isto tão bem quanto eu, caríssimo. O que os nossos cérebros foram macerados, meu amigo. Nesse ano ajudaste-me a perceber que amizade é a melhor vacina contra a insanidade mental.

Chuac,