a vida depois da vida / eco em museu / canção-vitória / letra empoada / melhor que nada / é memória

segunda-feira, 22 de janeiro de 2007

Vaivém

No tempo do cabelo todo negro, liso de perder ganchos, laços, deram-me um leque rosa por recuerdo, lindo. Partiu-se no regresso, de mau molde. Sem saber que fazer, corri a escondê-lo, culpada de nada, mas culpada, e por muito tempo.

2 comentários:

Dinarte Vasconcelos disse...

As culpas da infância, mesmo que pequeninas, são as mais duradouras

Ana Cláudia Vicente disse...

sim, assim as sinto