a vida depois da vida / eco em museu / canção-vitória / letra empoada / melhor que nada / é memória

quarta-feira, 13 de setembro de 2006

Blog Vérité

Cortei o cabelo (bob por alma de quem?), já me pareço mais comigo. Não fui a New Jersey (que tal?), estive a ver José Pacheco Pereira vs. Manuel de Arriaga Mário Soares. Respondi nãonãonãonãonãonão a um passageiro do metro, interrompi-o naquela parte do é que é mesmo parecida com uma amiga minha. Contei cinco galinhas pretas vivas e um pombo pardo morto até ao Campo de Santana. Choveu-me em cima. Gostei muito.

6 comentários:

mario disse...

Também eu apanhei aquela estranha chuva. Veio de onde? Ainda não consegui foi decidir: corto o cabelo? Não corto? :)

Ana Cláudia Vicente disse...

Mário,
a que me atingiu foi disparada por um cumulonimbo stalker. Quanto a cabelo, não arrisco parecer antes que poste lá no 15den o catálogo de hipóteses de corte em apreciação :)

Pearl Fosky disse...

Corta o cabelo, Mario!!!
Nada como um corte de cabelo assassino para nos remeter ao nosso humilde "self"...

- Nao, nao queria nada disto. O tipo endoideceu, e ve la no que isto deu...

Faz pensar se a beleza interior e que e mesmo importante...balelas!

Mwana disse...

ahahahah piada inteligente!

mario disse...

Já muita gente me disse para cortar o cabelo (e muita outra para o deixar crescer mais), mas nunca pearl fosky :))

Comprei a Vogue italiana (1,2 kg) mas nada de cortes de cabelo de homem para fazer post alusivo. Só um terrível prenúncio do regresso de perneiras para as meninas!

Pearl Fosky disse...

A, minha nossa senhora...as perneiras...

Achas que a moda da calca de licra por dentro das botas tambem volta?