a vida depois da vida / eco em museu / canção-vitória / letra empoada / melhor que nada / é memória

sexta-feira, 28 de abril de 2006

Tolete, Mas (Às Vezes) Alegrete

Descobre-se que se tem jeito para a ficção quando se percebe que há o que aconteça só na nossa cabeça.

5 comentários:

Anónimo disse...

Espera-se que toda a gente que por essa razão ache que tem jeito para a ficção não desate a escrever.

Ana Cláudia Vicente disse...

Beg to (radically) differ, mr./ms. anonymous.

Anónimo disse...

Olhe, não diga que não foi prevenida. E quem avisa...

Ana Cláudia Vicente disse...

Grata, Sr./Srª. A. A presunção do jeito para a ficção não é sinónima de talento literário, aí não há notícia nem diferendo. Porém, por que razão não há-de quem quer que seja que imagine o que quer que seja, desatar a escrever o que quer que seja?

Anónimo disse...

Afinal estamos praticamente de acordo, Srª. A.C.V.