a vida depois da vida / eco em museu / canção-vitória / letra empoada / melhor que nada / é memória

domingo, 26 de fevereiro de 2006

Coisas Que Só A Mim Apoquentam XXII

É para aí o meu terceiro Entrudo sem festarola. Já me mascarei das clássicas minhota, espanholita e dama antiga, mas também de lua em quarto crescente e de prédio. Dançar de prédio, como foi possível?

3 comentários:

Carrie disse...

Tinha uns 12 anos quando me mascarei de cafeteira. Um cilindro de cartolina com uma tampa na cabeça. Lindo! Depois disso desisti do carnaval.

Ana Cláudia Vicente disse...

Cafeteira foi muito bem lembrado, Carrie. As máscaras com mais piada são sempre as mais incómodas. Gostava de me ter mascarado de carta de baralho (como aquelas da Alice No País das Maravilhas), mas como (a não ser que se more em Torres Vedras ou Loulé) é quase impossível arranjar adultos suficientemente desvairados para serem coniventes com bailes destes,também não sei se voltarei a mascarar-me. Para bisnagadas e ovos é que não contem comigo.

cardeal patriarca disse...

Venderam o entrudo!

Compraram um carnaval de bailarinas nuas a tiritar de frio.

Viva o entrudo, Abaixo o Carnaval !