a vida depois da vida / eco em museu / canção-vitória / letra empoada / melhor que nada / é memória

terça-feira, 24 de janeiro de 2006

Para Toda A Vida

Para trás há nada, ele vem no primeiro dia lembrado, o dia em que a aniversariante era eu. Acordou-me com beijos e uma baixela de brincar. Na minha pequena ara repousa a última relíquia, chávena de chá de recordação. Pego no pedacinho plástico carmesim e dou graças a Deus pelo amor de um homem bom e digno. Peço-Lhe com toda força que por muito o mantenha.

4 comentários:

hmbf disse...

que post tão bonito...

Ana Cláudia Vicente disse...

[sorrindo, agradecendo]

Elise disse...

O amor companheiro, o amor verdadeiro!

Ana Cláudia Vicente disse...

[um dom, a paterna doçura]