a vida depois da vida / eco em museu / canção-vitória / letra empoada / melhor que nada / é memória

segunda-feira, 28 de novembro de 2005

O Manuscrito Do Mar Vivo

Desmoíamos pela praia. Entre disparates e fotografias, olhávamos os salvados da preia-mar. Restos de borracha, plásticos, vidro. Chamou-nos a atenção o paralelipípedo branco que afinal era folha de papel minuciosamente protegida. Lá dentro, centenas de caracteres em alfabeto desconhecido. Aprender a língua ou encontar tradutor, que mais há a fazer? Não esperávamos tropeçar num enigma.

3 comentários:

Formiguinha disse...

Acabei de scannar o manuscrito do mar. Amanhã pretendo passar pela fac., a ver se encontro alguma alma caridosa que o leia.

Ana Cláudia Vicente disse...

Ai, atómica, se soubesses como ando roída com isto...a ver se a nossa obstinação de investigadoras server para mais alguma coisa...

Ana Cláudia Vicente disse...

["serve", não "server"]