a vida depois da vida / eco em museu / canção-vitória / letra empoada / melhor que nada / é memória

quarta-feira, 20 de julho de 2005

Ofélia, A Mansa (Trem-Lag do C###lho).

[A soldadesca ribatejana - à paisana - aguarda o Regional para Santa Apolónia.]

- Sabes o Baixote?

- Quê, que é que tem esse c###lho?


- Vai para o Fuckistão, sabias?

- A sério?


- Olé!
- C###lho [bis]! Seis meses, a comissão daqueles gajos, não é?


- Já viste, fo##-se?! Longe da mulher, sem put##, só aquelas gajas com turbante, ó o que é, ó c###lho!
- Fo##-se!


[Momento de introspecção e envio de sms's.]


- Então e tu, pá, como é que está aquilo lá na academia?
- O Saloio tinha razão, c###lho, a Ofélia é um espectáculo! Eu pensei que não conseguia. Vê-se que ela não está habituada a fazer exteriores, 'tás a ver? Não gosta. É mais cimento, acho eu. Mas não se compara ao resto, é mansa, pá. Até tu, que tens medo, a montavas, c###lho!


- Ó meu c###lho, não te disse já que não curto os cavalos, fo##-se?!
- Ela não é um cavalo, meu animal, é uma égua!!'tou-te a dizer, ela é mansa, até tu a montavas! E ganhamos seis euros por dia, do subsídio de lavagem... mas eu gosto, não monto pelo dinheiro.

3 comentários:

Pequenão disse...

viva a cultura popular, hurrey.

Francis C. Afonso disse...

Diz-me a verdade, és tu que escreves as cenas do Gato, não és?

Ana Cláudia Vicente disse...

Não, Frank, infelizmente não...Mas se eles quisessem ser "Os Cinco" eu não me importava de ser Tim, o Cão.