a vida depois da vida / eco em museu / canção-vitória / letra empoada / melhor que nada / é memória

segunda-feira, 23 de maio de 2005

Cerejas

Da Beira. Brancas e vermelhas, mas sobretudo pretas. Das que deixam o polegar e o indicador tintos como os dos frades envenenados pelo medo do riso, n’O Nome da Rosa.

2 comentários:

Pequenão disse...

Assim de repente é-me impossível não pensar no Fundão...

Ana Cláudia Vicente disse...

Cova da Beira, nem mais.